sábado, 4 de setembro de 2010

Ferrugem

Sempre acreditei que o saber era imorredouro
Infelizmente, descobri o quanto fui tolo
Ou melhor, descobri o quanto sou tolo
Leio, estudo, tento aprender de tudo
como se me fosse necessário saber o mundo
quando em verdade não sei nem onde moro
como seria possível que tantas fórmulas decoro?
Tirem de perto de mim todos os livros e teorias
Já é tão difícil lembrar o que comi a cada dia
Não preciso lembrar-me de suas filosofias

Sinto-me uma máquina
e por isso revolto-me, mas não posso falhar,
não haverá back-up, não há técnico que me conserte
hei de continuar esta alma inquieta dentro de um corpo inerte




Pessoa, ensina-me a ser humano
Salva-me, poesia.

Nenhum comentário: